fbpx

A história da Rolls-Royce Motors a partir de 2021


This post is also available in: English (Inglês) Français (Francês) Deutsch (Alemão) Italiano (Italiano) Español (Espanhol) Български (Búlgaro) 简体中文 (Chinês (Simplificado)) 繁體中文 (Chinês (Tradicional)) hrvatski (Croata) Čeština (Tcheco) Dansk (Dinamarquês) Nederlands (Holandês) हिन्दी (Hindi) Magyar (Húngaro) Latviešu (Letão) polski (Polonês) Português (Português) Română (Romeno) Русский (Russo) Slovenčina (Eslavo) Slovenščina (Esloveno) Svenska (Sueco) Türkçe (Turco) Українська (Ucraniano)

1904 – O início

rolls-royce
Charles Stewart Rolls (1877-1910) nasceu em Hill Street, Mayfair, a poucos passos de Berkeley Square, Londres Ocidental. Depois de frequentar o Eton College e a Universidade de Cambridge, onde estudou engenharia, optou por uma carreira como negociante de automóveis e abriu a sua primeira concessionária com um empréstimo de 6600 libras do pai. C.S. Rolls & Co, começou por importar veículos francesesda Peugeot e belgas da Minerva, mas não demorou muito até querer um carro um pouco mais luxuoso para vender aos seus clientes ricos.

Em 1904, Rolls conheceu Henry Edmunds, diretor da Royce Ltd, no Royal Automobile Club em Londres. Edmunds mostrou ao Rolls o novo carro da sua empresa, um Royce 10, que foi fabricado pela Royce em Manchester. Rolls ficou impressionado com o design, apesar de ser alimentado por um motor de 2 cilindros e arranjado para se encontrar com o proprietário e engenheiro chefe da empresa, Henry Royce no Hotel Midland em Manchester em 4 de maio de 1904.

Durante esta famosa reunião, o Rolls concordou em comprar todos os carros que o Royce pudesse fazer. Os carros subsequentes seriam crachás Rolls-Royce e seriam vendidos exclusivamente através da C.S Rolls & Co em Fulham. O primeiro carro com distintivo Rolls-Royce, o Rolls-Royce 10 cv, apareceu no Salão de Paris em dezembro de 1904.

1906 – 1910

rolls-royce
A Rolls-Royces construiu uma reputação pela sua suavidade e fiabilidade, crucial numa altura em que a maioria dos veículos a motor eram mal fabricados e notoriamente pouco fiáveis. Em 1906, Rolls partiu para os EUA, onde pretendia capitalizar a reputação da empresa e estabeleceu uma distribuidora para os seus carros em Nova Iorque. Apesar do sucesso inicial da empresa, ficou claro que o interesse da Rolls no negócio estava a diminuir. A sua cabeça tinha sido virada por uma nova invenção, o avião, e foi um dos primeiros compradores do novo avião de Orville e Wilbur Wright, o Wright Flyer, em 1909. Rolls estabeleceu uma série de registos de aviação precoce, incluindo a primeira travessia dupla sem escalas do Canal da Mancha em 1909.

Enquanto Charles Rolls estava ocupado a bater recordes de aviação, a empresa que fundou estava ocupada a desenvolver um novo protótipo, o Rolls-Royce 40/50 cv. Este carro novo tinha um motor de 6 cilindros muito mais suave do que o motor de dois cilindros que substituiu. Lançado no olympia car show em 1907, o carro só estava pronto para ser testado no ano seguinte, quando a Autocar Magazine lhe chamou o “melhor carro do mundo”. O belo trabalho de prata do show car (AX201) também deu origem ao apelido, ‘Silver Ghost’. Embora isto não tenha sido usado oficialmente pela fábrica até 1921.

No entanto, a tragédia atingiu a empresa em julho de 1910, quando o Piloto De Wright Flyer Charles Rolls se despenhou no aeródromo de Hengistbury, bournemouth. Rolls foi morto instantaneamente, e ignominiosamente tornou-se a primeira pessoa no Reino Unido a ser morta num acidente aeronáutico usando uma aeronave movida.


1911 – Nasce uma Dama de Prata

rolls-royce

A Mercedes tem a estrela de três pontas, a Ferrari tem o cavallino desenfreado ‘cavalo de prancing’, e a Rolls-Royce tem o ‘espírito de êxtase’. Esta bela senhora prateada adorna a frente de quase todos os Rolls-Royce desde 1911. Desenhado pelo renomado escultor Charles Sykes, o famoso motivo é na verdade modelado numa pessoa real. Eleanor Velasco Thornton, secretária particular de Lord Montague, um dos clientes mais importantes da Rolls-Royce.

O design baseia-se numa comissão privada de Lord Montague para um ornamento de capota para um Rolls-Royce na sua coleção privada. O original difere da versão oficial devido ao facto de mostrar Eleanor segurando o dedo indicador nos lábios. Como resultado, esta versão chama-se “O Sussurro” e é extremamente rara. Só membros da família Montague podem especificar “o Sussurro” para adornar o seu novo Rolls-Royce. Diz-se que o sussurro significa que Montague estava tendo um caso com Eleanor na época.


1925 – O Fantasma

rolls-royce

Lançado como substituto do 40/50 ‘Silver Ghost’, o Fantasma foi introduzido em 1925 e usou um motor revolucionário de 6 cilindros PUSHROD-OHV. Enquanto o chassis era o mesmo que o modelo de saída 40/50, a suspensão foi atualizada para usar molas semi-elípticas no eixo dianteiro e molas de cantilever no eixo traseiro. Isto deu ao carro um passeio de tapete mágico e fortaleceu ainda mais a reputação da Rolls-Royce como fabricante dos melhores carros do mundo.


1931 – Bentley junta-se à família

A Rolls-Royce adquiriu a Bentley Motor Company em 1931, depois da Bentley ter caído em dificuldades financeiras após a grande depressão. A Rolls-Royce optou por não continuar a fabricar modelos separados da Rolls-Royce e da Bentley, em vez disso, usaram o emblema Bentley em alguns dos modelos mais desportivos da gama.

1933 – Do vermelho ao preto

rolls-royce
Em 1933, a cor de fundo do emblema Rolls-Royce foi mudada de vermelho para preto porque se pensava que o vermelho às vezes contrastava com a escolha do trabalho de treinador escolhido por alguns clientes. Esta mudança é por vezes referida como uma marca de respeito pela morte do fundador Henry Royce, que morreu em março de 1933, mas isso é incorreto.


1946 – Produção muda-se para Crewe

rolls-royce

Após a Segunda Guerra Mundial, a Rolls-Royce Motorcars reiniciou a produção numa fábrica não americana em Crewe. A fábrica já tinha sido usada para fazer motores aero rolls-Royce Merlin e Griffin durante os anos de guerra. A Rolls-Royce precisava de mais espaço porque começou a fabricar trabalho de autocarro pela primeira vez. Tendo comprado o capital restante dos renomados construtores de autocarros Park Ward Limited, que tinha em parte desde 1936.

1955 – 1965 A Nuvem de Prata

rolls-royce
Em 1955, a Rolls-Royce deixou de vender chassis separados e desenhou o seu próprio corpo dentro de casa pela primeira vez. Fabricado com aço prensado, a concha do corpo era consideravelmente mais leve do que os exemplos tradicionais da carruagem. O novo carro foi batizado de Silver Cloud, mas não foi um sucesso imediato com os compradores tradicionais da Rolls-Royce, que não gostaram da escolha limitada de opções e do design bastante bulboso. No entanto, o novo carro era consideravelmente mais barato de produzir do que um veículo construído por autocarros tradicionais, retalhista por um preço de apenas £5078, incluindo impostos. Este Rolls-Royce mais acessível abriu a marca até uma geração mais jovem de compradores, incluindo Elvis Presley, John Lennon e Frank Sinatra.

1965 – 1980 A Sombra De Prata

rolls-royce
Em meados da década de 1960, o design do carro tinha mudado significativamente, com a maioria dos fabricantes a optar por um design integrado de chassis monocoque. Num esforço para se manter, a Rolls-Royce lançou a Sombra de Prata em 1965, que usou pela primeira vez uma construção unitária de corpo e chassis. A plataforma gerou uma série de derivados, incluindo o ultra-suave Corniche, o Pininfarina projetado Camargue e numerosos modelos Bentley. A Sombra de Prata também usou a inovadora suspensão hidropneumática que proporcionou uma qualidade excecional de passeio para o período. O novo carro foi um grande sucesso com os compradores e até à data é o modelo rolls-royce mais popular de sempre, vendendo 30.057 modelos ao longo dos seus 35 anos de vida.

1981 – 1997 O Espírito De Prata

rolls-royce
No início da década de 1980, a Sombra de Prata estava a ficar longa e era necessário um novo modelo para acompanhar o ritmo dos rivais alemães Mercedes-Benz. O resultado foi o Espírito de Prata, que foi mostrado ao público pela primeira vez em 1980. O Espírito baseia-se no chassis da Sombra, mas tem uma suspensão auto-nivelada atualizada que melhorou a qualidade do passeio e uma caixa automática de 3 velocidades melhorada. O modelo gerou uma série de derivados, incluindo o Silver Spur de longa distância e a limusina Park Ward.

2003 – O nascimento de uma nova era

rolls-royce

Na virada do século, a Rolls-Royce Motorcars estava em declínio. Os modelos Bentley mais desportivos ultrapassaram pela primeira vez as vendas da Rolls-Royce e o Seraph prateado, lançado em 1998, não estava a revelar-se muito popular. Ficou claro que era necessário um novo rumo e veio sob a forma da BMW, que adquiriu os direitos de usar o nome na sequência de uma compra da marca Bentley pela rival Volkswagen. Como a BMW só adquiriu os direitos de utilização da marca, tiveram de desenvolver um novo modelo e construir uma nova fábrica para a fazer.

A nova fábrica foi construída nos terrenos da propriedade de Lord March em Goodwood, West Sussex. A nova instalação de última geração foi projetada para ser o mais amiga do ambiente possível e marcou o início de uma nova e excitante era para a marca. O novo carro, batizado Phantom VII, foi construído sobre um chassis de alumínio de última geração para economizar peso e foi alimentado por um motor BMW 6.75L V12.

O Phantom VII provou ser um grande sucesso com os compradores, devido ao enorme número de opções personalizáveis que estavam disponíveis. Os clientes podiam escolher entre 44.000 cores de tinta, especificar qualquer interior de couro a cores que quisessem e até ter as suas iniciais esculpidas no tablier. Também reintroduziu portas suicidas que permitem aos passageiros desembarcar da retaguarda de uma forma elegante. Além disso, o carro novo permitiu à Rolls-Royce afirmar que fez o melhor carro da palavra mais uma vez.

2009 – Um Rolls-Royce para o povo

rolls-royce
Após o sucesso do Fantasma, um novo Rolls-Royce foi desenvolvido para apelar a uma geração mais jovem. Batizado Ghost, em homenagem ao 40/50, usa o comboio e plataforma de um BMW série 7 num esforço para economizar custos. Apesar de terem sido feitas alterações significativas, a empresa admite que até 20% dos componentes do chassis são partilhados. Mas para o mundo exterior, este ainda é um Rolls-Royce: tem a presença de estrada que cada Rolls-Royce exige, juntamente com um interior gloriosamente elegante que pode ser personalizado às exigências exatas do cliente.

O Ghost gerou uma série de derivados, incluindo os modelos wraith coupé e Dawn descapotáveis, juntamente com uma versão estendida da distância entre eixos. Isto ajudou o Ghost a tornar-se um dos modelos mais populares da Rolls-Royce de todos os tempos. Mas ainda tem de ultrapassar a Sombra de Prata como o Rolls-Royce mais popular de sempre.

2017 – Lançado todo o novo Phantom

rolls-royce
2017 assistiu ao lançamento do novo Fantasma VIII. Este veículo de última geração é mais uma vez desenvolvido no seu próprio chassis de estrutura de espaço de alumínio e está equipado com suspensão auto-nivelada, amortecedores controlados eletronicamente e barras anti-rolo ativas para ajudar a melhorar o já impressionante passeio do seu antecessor. Foi também desenvolvida uma nova gama de pneus em conjunto com a Continental, que visa reduzir a quantidade de ruído rodoviário no interior do veículo. E, claro, não seria um Rolls-Royce se não tivesse uma variedade virtualmente interminável de opções de tinta e personalização interior.


2018 – Uma nova direçãopara Rolls Royce, o Cullinan

rolls-royce
2018 vê a empresa tomar um novo e emocionante rumo, com o lançamento do seu primeiro SUV, o Cullinan. Desenvolvido para apelar aos compradores em mercados emergentes, é construído no mesmo chassis de estrutura de espaço de alumínio que o novo Phantom e partilha o seu motor biturbo de 6,75 litros, mas usa o seu próprio drivetrain 4×4. A montagem final terá lugar em Goodwood e os clientes poderão escolher entre uma variedade de opções de personalização. O lançamento do Cullinan marca o ressurgimento da Rolls-Royce sob a tutela da BMW. A empresa é mais uma vez rentável e pode orgulhar-se como uma empresa britânica icónica que pode realmente apostar na sua pretensão de fazer os melhores carros do mundo.

Serviços Rolls-Royce Pawnbroking

Sediados no West End de Londres, os corretores de penhores de New Bond Street são a escolha natural para penhorar o seu acarinhado carro da Rolls-Royce. Com mais de 60 anos de experiência a valorizar algumas das maiores marcas de luxo do mundo, juntamente com vinhos finos, antiguidades e pedras preciosas, daremos ao seu Rolls-Royce a atenção que merece. A nossa equipa especializada tem experiência em valorizar os modelos clássicos e modernos da Rolls-Royce para que possa ter a certeza de que lhe ofereceremos uma avaliação justa e honesta. Também nos orgulhamos dos níveis de serviço que prestamos. Por isso, se queres usar o teu Rolls-Royce como garantia para um empréstimo, liga hoje à nossa equipa especializada de automóveis. É-lhe garantido um serviço discreto e profissional. Os New Bond Street Pawnbrokers oferecem empréstimos contra os seguintes carros clássicos: Aston Martin, Bugatti, Ferrari, Jaguar, Mercedes e Porsche



Be the first to add a comment!

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *


*



Authorised and Regulated by the Financial Conduct Authority